sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Levítico 18




Levítico 18

Levítico 18 tem a fama
da lei abominável do passado,
o ponto principal para quem ama
é ler com outros olhos, arejado

por ventos de mudança, sem o drama
da lente diminuta do barbado
mais velho que uma pedra de pijama.
Amar é permitir-se ser amado.

Há teses que comprovam que nem é
de fato prescrição, como se diz
de forma escandalosa, com má-fé.

Talvez se procurasse seu nariz
por cima do barbão, levava olé
o velho com ideias pueris.

*** Img - in 123rf.
*** Para ser mais específico, estou falando sobre Lev 18,22 e 20,13.
Share |

14 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

Henrique,

Lê de novo Levítico 18.

BAR DO BARDO disse...

Marcos,

eu sou católico, por incrível que pareça, e recentemente retomei a leitura da bíblia. O barbado aqui, no soneto, é apenas um símbolo de radicalismo (e nem precisa ser de origem católica ou mesmo, generalizando, cristã). Tratei de um assunto polêmico e dei minha opinião, só isso. Para ser detalhista, estou falando sobre Lev 18,22 e 20,13. Abraço, irmão!

Jarbas disse...

Diz o stablishment que isto é uma escolha, e não uma sina. Na minha opinião, devemos juntar Freud, Jung (este combinando com Lamarck) e Adler para decifrar.

O homem e a mulher, ao gerarem um filho, passam para ele, talvez por contaminação neurônios-a-neurônios, certas reações a situações básicas que o feto vai enfrentar depois de nascer. Informações imprecisas, nebulosas, às vezes traumáticas (daí as neuroses e psicoses "sem causa" ou "com causas em vidas passadas").

Cito um exemplo do mundo animal. Cadelas "virgens" presas no cio às vezes simulam o ato sexual como se fossem machos. Dão aquela gingada tradicional com as duas patas dianteiras apoiadas nas costas da outra fêmea. Mesmo sem terem nenhum "documento" que possa penetrar na abertura à sua frente.

Os neurônios do feto recebem uma carga de situações e adequadasreações, como se fossem uma lista de perguntas e respostas. No caso citado, 2 situações parecidas (1- você está no cio, é fêmea e está diante de um macho; 2- você está no cio, é macho e está diante de uma fêmea). No caso da cadela, como está no cio, é fêmea e não vê macho, tenta a resposta vizinha. Mas logo o dono a leva para a cruza, e ela aclara a informação básica dos seus neurônios, e reforça para sempre a opção prevista pela Natureza (ou pelo acaso, sei lá).

Com os humanos, a mesma coisa. Macho no cio sem fêmea por perto (ou com fêmeas intocáveis), procura a outra resposta. Se tiver um macho "esperto" por perto, o iniciante vai simular a fêmea, e a consecução do ato deve reforçar para sempre a opção errada (do ponto de vista da perpetuação da espécie).

Puro determinismo, ligado a certas condições especiais, pouco comuns. Um bom motivo para não espezinharmos os gays.

Já li toda a Bíblia, não curto, mas nesse caso estou com os barbudos que a escreveram...

Fico imaginando se daria para explicar isto num poema...

BAR DO BARDO disse...

Jarbas,

não sei se entendi tudo. Gostaria apenas de reiterar que a bíblia merece leitura, sim, e releitura, com os olhos de hoje - embora tentando compreender o contexto cultural da época em que os seus livros foram escritos. Reitero, também, a minha crença no amor.

Agradeço por seu cometário!

Felicidades, meu caro!

jorginho da hora disse...

Ah o evangelho! Eu podia te contar tanta coisa sobre esse livro...Bom, mas por enquanto só isso basta: O evangelho praticou varis coisas que ele condenou. Condenou a conduta escandalosa e ele proprio é escandaloso, condenou a linguagem grosseira e vulgar e praticou a linguagem grosseira e vulgar, condenou a hipocrisia e praticou a hipocrisia, condenou a mentira e praticou a mentira

BAR DO BARDO disse...

Jorginho,

há coisas assim, sim, com pessoas. Já a bíblia trata-se de um universo, que é interpretado com amor, ou deveria ser.

Seja feliz!

jorginho da hora disse...

Olha, então vamos fazer o seguinte: Quando deus manda amar o proximo como a ti mesmo e depois manda matar a pedradas, onde ha verdade nisso? E onde ha beleza, amor ou compaixão nisso? Quando deus mata de forma cruel homens, mulheres e crianças por motivo de ciume, onde ha amor, compaixão, nobreza ou beleza nisso? Quando a biblia condena o sexo anal alegando ser isso uma violencia contra o corpo que é o templo da alma e ao mesmo tempo autoriza o apedrejamento, onde ha verdade ou amor e até mesmo beleza nessa hipocrisia?
Observe que no velho testamento deus pratica muito mais coisas que não cabem na ideia do bem do que o proprio bem. Isso não lhe parece estranho?

BAR DO BARDO disse...

jorginho,

você deve ter lá as suas razões. continue sendo livre para se expressar da forma que quiser.

e seja feliz.

Jarbas disse...

Acho mui despiciendo
conceituar (ou tentar...)
a Força que, desfazendo
nosso Orgulho, faz pousar
todo pé aqui no chão.
Deus, o Cosmos, o Acaso,
apenas palavras são.
Que tal tirar o atraso
e translar Robert Browning
("Flautista de Hamelin")
como tento em Timblindim?

BAR DO BARDO disse...

Jarbas,

irei ao Timblindim ver.

Jarbas disse...

Pimenta, o original está em:
http://www.indiana.edu/~librcsd/etext/piper/
com as belíssimas ilustrações de Kate Greenaway.
Em http://www.indiana.edu/~librcsd/etext/piper/text.html
somente o texto original.

Sempre tive um carinho especial por essa história, que fala da dignidade e indignidade humanas...

Vi dois filmes baseados na obra de Browning: um, americano, de 1957, puxando demais para o tom farsesco. Outro, de 1971, inglês, com um Flautista de belo aspecto, coerente com a descrição do poema, mas "contaminado" (e encurtado) com uma estória paralela, típica "mensagem subliminar" ou merchandising político.

piligra disse...

Caro amigo, estou de férias do Face e do trabalho, apenas escrevendo muito...Esse seu poema é belíssimo e realístico...o problema é que nem sempre as pessoas estão abertas à verdade...continue a sua marcha contra a pueril falta de senso dos homens na interpretação da Bília...e para não perder o ritmo lá vai um presentinho para o amigo em forma de Trineto.........

A forma gira sobre si mesma,
Um caracol de verso encoberto,
Poema vivo pleno de apreço,
Jovem molusco em passo de lesma;

A forma cria, vinga no aberto,
Pedra de toque vence o tropeço,
Moça que luta contra seresma,

Oásis de luz brilhando em deserto
- Nasce do fim um novo começo!

BAR DO BARDO disse...

jarbas,

grato pelas referências.

BAR DO BARDO disse...

piligra,

a gente vai se falando. também tive uns dias "cheios" - no bom sentido.

abraço!