domingo, 28 de dezembro de 2008

Acabei de compor um soneto, galera!



Soneto de fidelidade


De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.


Share |

4 comentários:

Miguel Barroso disse...

E ficou bem! Gostei!


Abraços d´ASSIMETRIA DO PERFEITO

Menos Inútil disse...

...Obrigada!!!!
a foto do avatar são meus pés...eu tinha um blog antes, que "viveu" de 2003 a 2008..tinha o nome de "Utopia" , começou no servidor weblogger, mas como vivia fora do ar, mudei pro blogger, mas deixei no ar...esses tempos atrás fui ver como ele tava e o weblogger simplesmente deixou de existir sem cdar satisfação a ninguem, senao até te passaria a url. hehe

enfim, em julho deste ano resolvi matá-lo e criar este, menos inútil...rsrsrrss.



AMO VINICIUS DE MORAES....Aliás, precisa colocar os créditos..

=D

hehehehehhee


Abraço,
Te mais!

mariagomes disse...

Sim, compôs um soneto imortal de Vincius! 'A César o que é de César'.

Caro Henrique,
creio ter havido um equívoco em relação ao que eu deixei escrito no blogue de Lau Siqueira. Eu sublinhei, com aspas, o que Lau escreveu. É dele a humildade, são dele as palavras ( embora não negue que, por vezes, também a sinta)

Obrigada pelas suas visitas, obrigada pelas palavras de apreço!

Com a mais elevada estima
um abraço
maria

BAR DO BARDO disse...

Quando escrevi "acabei de compor", estava só afirmando que havia acabado de digitar o poema, que, óbvio, é do "Poetinha".