domingo, 10 de janeiro de 2010

Algumas tentativas em haiku

Bamboo - in Deviantart


Algumas tentativas em haiku (numeradas aleatoriamente)

1.
cai como uma luva
no primeiro de janeiro
um pingo de chuva

(Fiz no dia primeiro mesmo. E sei que não foi apenas um pingo...)


2.
O céu está molhado...
Ai, escorreguei!
O azul é a cor da água.

Der Himmel ist nass...
Auweh, ich gleite herab!
Blau ist die Farbe des Wassers.

Revisão: Isabella Kramer

(Ao visitar o blogue Veredict - Iertes tentei dialogar com a foto e o haiku da Isabella Kramer. O som que pesquisei me parecia adequado. Ganhei de presente ainda uma revisão textual da própria autora. Fiquei feliz.)


3.
O vento da Pérsia
na persiana da sala,
com sabor de pêssego.


4.
Voo pelas entranhas,
a viver o meu mundinho
em terras estranhas.

(Diálogo estético no HAIKUPORTUGAL, blogue de David Rodrigues.)


5.
Vodu:
uma pin-up
alfinetou o meu id.


6.
Vivo por um triz:
celulite, estresse, estria,
até cicatriz.

(Interferência em poema visual do Pesenti.)


7.
O vento que nos veio
Foi-se cortando-nos veias,
Meu peito, teus seios...


8.
dois mosquitos me pousam
um atrás do outro
ei, como ousam!?!


9.
um corpo convida
aqui
vais passar a noite


10.
a gélida brisa
um ar de que a chuva
quando vem, avisa


11.
De novo uma prece
para o Sol que se levanta
à luz que nos desce.


12.
À flor d'água e sal
eu sinto nitidamente
seu doce nos lábios.


13.
Nós dois somos simples
Como pássaros que cantam
Ao silêncio cúmplice.


14.
Hoje, dia lindo:
O caos 'stá cansado;
O cão 'stá dormindo.


15.
Que brisa fagueira!
O vento balança as folhas
de uma pitangueira...


16.
circo paradiso
uma lágrima de dor
forçando um sorriso

(Em diálogo com Líria Porto, mantenedora do blogue Tanto Mar.)


17.
Os galos debatem.
Os curiós parlamentam.
E o Sol em silêncio...


18.
a maresia
depois da rebentação
dá uma onda!...


19.
respeito
porta aberta
aperto no peito


20.
coleira de cão
não há de adestrar
o rabo que abana

(Dialogando com Cássio Amaral - 20, 21, 22, 23, 24 -, maninho do blogue enten katsudatsu.)


21.
se vemos a lua
como um lunático a vê
onde já se viu?!


22.
lua serelepe
como se fosse uma sereia
espreitando um deck


23.
há tempo de folhas
há tempo de flores
ah... tempo de frutas...


24.
a lua sorri
entre as folhas de repente
apita o saci


25.
Beleza não cessa,
mesmo quando lhe perguntam
"Que tristeza é essa?"...


26.
dor? dói tudinho
mas eu não abandono
o caminho


27.
compactando o solo
ninhos debaixo da terra
ratos e corujas

(Acerca de uma obra aqui na frente de casa.)


28.
eu estou aqui
os grilos não, nem aí
por enquanto, paz


29.
Fora do convento,
em trânsito de segredos,
batinas ao vento.


30.
A casa no fim:
todo o projeto no pó;
no teto, cupim.


31.
Vou colecionar
chamegos no meu amor,
conchinhas no mar.



32.
Corajoso o rato
se apronta para matar
a fome do gato.


33.
folhas amarelas
folhas bem verdinhas
a árvore é a mesma

(Feito na rede, antes de dormitar...)


***
Share |