terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Fio de espada


Fio de espada

          "Correr da espada o sangue do vencido." - António Dinis da Cruz e Silva

Rendido pelas armas, condenado.
Ao cabo de estratégias da nação
nociva para sorte, sou azado
ao campo de batalhas. Solidão.

Até que fui, enfim, desenganado
da grave e poderosa presunção,
supondo que restava ser cruzado.
Depressa menoscabo o galardão.

Malhado pelas carnes, ossatura,
perdido no terreno, decidido
ao fim do que blasfema, que perjura,

descido ao desalento, definido,
definho-me à divisa da ventura:
"Correr da espada o sangue do vencido."

*** António Dinis da Cruz e Silva (* Lisboa, 4 de julho de 1731 – † Rio de Janeiro, 5 de outubro de 1799) é um poeta português do século XVIII, foi magistrado de profissão e fundador da Arcádia Lusitana em 1756. (Wikipedia)
*** Img - Jacques DeMolay.

Share |

2 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

eu não conhecia esse poeta. o soneto ficou bom.

BAR DO BARDO disse...

Eu também não o conheço muito. Foi mais um exercício sobre um tema das antigas.

Felicidades!