segunda-feira, 9 de julho de 2012

Fazer


Genésio Fernandes - do álbum Minha Floresta Pintada

Fazer

Fazer sem se prender se tem conceito,
fazer só por fazer, pelo lazer,
sem laser cintilante, do seu jeito,
você no seu estado, no seu ser.

Fazer e se perder, não há preceito,
fazer sem perfazer, um afazer
gratuito, diletante, de sujeito
que nunca se sujeita a acontecer.

Fazer e perverter, não se ter medo
do vértice, do abismo, do seu passo
em direção à essência do remedo.

Há críticas e crises e cansaço?
Sucesso, se vier, não virá cedo.
Fazer e suceder para o fracasso.

*** Percebo que a metalinguagem é uma das vertentes prediletas do meu sonetismo. Eu adoro. Espero que vocês, pelo menos, gostem. Talvez um dia eu tente publicar (no papel) um conjunto de sonetos metalinguísticos, que acham?

*** A pintura acima é do sr. Genésio Fernandes, foi meu professor de semiótica no Mestrado de Estudos Literários, UFMS. Aposentou-se e intensificou suas artes, a pintura e a escrita. Aprecio por demais seus escritos e suas pinturas. Aqueles que desejarem conhecer seus trabalhos, há um pouco no seu blogue, o Remanso da Barra.

 *** Se alguém se interessar pela compra de meu pocket pornô - "99 sonetos sacanas e 1 canção de amor" -, agora pode ir também direto ao site da Editora Life.
Share |

8 comentários:

sandra camurça disse...

Adorei, Henrique, de verdade, verdade verdadeira :)
Bela pintura, a do Genésio.
Beijo!

BAR DO BARDO disse...

sandra camurça,

que bom que gostou. devo confessar que gostei também. um dia figurará num livro.
o genésio fernandes nem desconfia de que é ótimo.
beijo!

Leo Lamarão disse...

metalinguaguem, vamos por partes
quanto a pintura é arte
o quadro, o pincel e o contato, mesmo abstrato
quanto ao soneto é poesia
a caneta, o papel toda terminologia.
telas, gravuras, linhaça, espio tecer
eu aqui aprendendo, porque não sei fazer.

fico só torcendo esperando a publicação, e agradecido pelo conhecimento.

abraços amigo.

BAR DO BARDO disse...

LL,

a gente aprende com quem aprende e, de repente, cadê o professor?!
Abraço!

byTONHO disse...



Mais um Bárbaro do Bar do Bardo!
Barba.h.ridade!
Bah! Tchê!
De verdade!
Bacana!

A.do.rei!

Oh not!

:o)

BAR DO BARDO disse...

bar
ba
da(o)

tonho na área -
já ganhemos
já ganhemos
já ganhemos

vrrrrrrrummmmmmmmm!!!

piligra disse...

Eu faço por fazer cada conceito
Tocando na guitarra o louco ser,
Com laser todo azul cortando o peito
E, assim, refaço em drama o meu lazer...

Eu faço e me refaço de outro jeito,
Traçando uma urdidura no não-ser
O drama do que é dito e nunca feito;
Poema que jamais quero escrever...

Eu faço do meu vértice degredo,
Planície da miséria sem compasso,
Da morte colho paz, colho brinquedo
E sigo pelo inferno sem cansaço...

- Sucesso, se vier, guardo em segredo,
No exílio brilha a chama do fracasso...

ps. acho que um dia podemos publicar algo juntos...tipo: COBRA DE DUAS CABEÇAS...

BAR DO BARDO disse...

Ah, sim, Piligra!

Devemos já contatar o empresário da Mondrongo.

Abraço!