domingo, 25 de outubro de 2015

Ao tema dos espinhos






Ao tema dos espinhos

Um tema espinhosíssimo? Melhor
ousar e nem tentar uma abordagem...
Silêncio de maçom, que sei de cor,
em Ísis, em pirâmides, na aragem

ardente do deserto, no suor
que excede por demais a maquilagem...
Ó selo dos segredos, ao menor
sinal de esoterismo: uma passagem

serena para o solo do Inefável
indica porque o Nada é bem durável
e o Fim é especular: um espetáculo!

As tramas da linguagem, quietei...
O tema dos espinhos, evitei...
Agora, quem me livra do tentáculo?...

*** Img -  Pixabay
Share |

4 comentários:

Jarbas Similevinsk disse...

Um tema que há muito te atormenta
é prêmio literário ou castigo.
Depende de que lado você tenta
pegá-lo: pelo rabo ou pelo umbigo.

Se for polvo, o caso é brabo,
é nadar bem depressinha para a praia;
e se escolher do bicho o rabo,
má escolha se o rabo for de arraia.

O problema é que água suja
te oblitera totalmente a visão
e você não consegue ver na cuja
se é lula, aecim ou tubarão.

Melhor esperar pelo remanso
Já que o bicho pode ser um simples ganso.

Jarbas Similevinsk disse...

Dá para despiorar um pouco o "soneto":

O problema é que a água turva, suja,
te oblitera totalmente a visão
e você não consegue ver na cuja
se é lula, aecim ou tubarão.

BAR DO BARDO disse...

Adorei o seu soneto, sr. Jarbas Símile. Tentarei dialogar com ele um dia... pois tentar um ator com a mente é atormentar... Acho que vi a mamãe de um patinho ganso em meio ao meu cisne feio... Quá-quá!

Jarbas Similevinsk disse...
Este comentário foi removido pelo autor.